Road to Chicago – Semanas 6 & 7

Após uma semana de interregno cá está de volta o diário de treino que está a todo o gás apesar das férias!

A primeira semana foi ainda condicionada pelo entorse no pé sendo que já foi possível aumentar o volume de Kms.

O primeiro teste a sério foram umas séries longas (4 x 3000m) que estavam marcados para o meio da semana. Optei por fazer apenas 2 séries e ainda bem: durante o treino senti alguma dor mas não fiz muito caso da mesma. No entanto no dia seguinte estava bastante pior e até descer escadas era complicado. Reforcei o gelo e encurtei o treino de sexta, mesmo antes do começo das férias, de 13K para 45’.

Fui, assim, algo desanimado para o Algarve já que o próximo treino seria um longo de 28K e as expectativas eram baixas… Durante sexta e sábado procurei ao máximo descansar e fazer gelo para tentar recuperar a tempo.

Domingo comecei com as maiores cautelas e com um ritmo baixo qb (5:20min/km) e apesar de no início ainda sentir alguma sensibilidade notei que não era nada de mais. Mantive então o ritmo (já que sabia que a altimetria do percurso não era nada fácil) e o treino lá saiu, com a moral bem reforçada! Já que só iria ter um abastecimento de água (já aos 23K, cortesia do meu pai) optei por levar uma Camelbak. Não é o ideal mas serve perfeitamente para este tipo de treinos! O ritmo médio dos 28K foi de 5:19min/km. Nada de espetacular mas dado o constante sobe e desce bem como todos as condicionantes que a lesão impôs nas últimas semanas não podia ficar mais satisfeito.

Como nota intermédia gostaria de salientar o facto das águas do Algarve este ano estarem bem mais frias que o normal. Não foi muito agradável para os banhos mas revelou-se uma espetacular crioterapia depois de cada corrida!

Concluída mais uma semana seguiu-se a semana 7, a mais viajada até agora já que incluiu treinos no Algarve, em Lisboa e no Alto Alentejo.

O primeiro da semana foi logo a seguir ao longo, 13K de corrida continua, sem forçar  para recuperar as pernas. Ainda com considerável sobe e desce o treino não apresentou nada de relevante a assinalar (uma ligeira sensibilidade ainda no local do entorse mas algo mínimo e possivelmente expectável dada a carga do dia anterior). 

Quarta feira foi dia de férias e aproveitei para visitar o estádio municipal de Lagos (com os pista de atletismo de fazer inveja ao Jamor…) com um plano pedia 12 x 400m. Procurei não forçar muito o ritmo, para avaliar as dores já que o impacto de uma velocidade maior seria, também ele maior. Não me senti ainda a 100% mas fui perfeitamente capaz de fazer todas as séries e chegar a casa sem qualquer tipo de dor assinalável.

Para quinta o plano já indiciava 15K de corrida continua mas quis fazer apenas 6K (compensando com o já habitual sobe e desce). Não só ainda não sentia a lesão a 100% como achei imprudente aumentar, assim tão significamente, o volume de quilómetros.

O treino de sexta, com 14K de CC foi já feito em Lisboa, em ambiente citadino e pela primeira vez senti que o pé completamente são e sem nenhuma dor a assinalar!!

Para fechar a semana, já pelo Alto Alentejo, teve lugar o longo de 30Kms. Comecei bem cedo, para fugir ao calor, mas o que não consegui fugir foi novo sobe e desce: foram mais de 400m de acumulado ao longo destes 30 quilómetros com constante sobe e desce (foram poucos os metros feitos em estrada plana). Tive novamente um único abastecimento aos 16Kms e complementei assim com a Camelbak de 1L.

Queria ainda realçar a restante reposição energética: usei um gel e uma saltbar a cada 7kms (este será o plano base a seguir para a maratona) sendo que usei 2 hydrogels e estriei ainda um gel da Maurten. É bem esquisito (já que parece mais uma gelatina do que um gel) mas cai muito bem no estômago e pareceu de absorção rapida. Fiz ainda uso de uns calções compressores, bem como de umas caneleiras da MUND (marca mais orientada para o trail) e os meus músculos das pernas bem agradeceram, dada a altimetria!

Finalizei o treino com uma média de 5:25min/Km. Novamente nada de espetacular mas dado o acumulado e o facto de ter feito os últimos Kms bem mais rápidos fiquei bastante satisfeito.

Terminaram assim duas bastante positivas: o entorse parece estar curado e tem sido possível aumentar o volume de treino com boas sensações!

Resumo – Semana 6:

  • 2ª Feira – 13KM CC + Reforço Muscular
  • 3ª Feira – 2 x 3000m (15,49 Kms)
  • 5ª Feira – Reforço Muscular
  • 6ª Feira – 45’ Easy (8,16 Kms)
  • Domingo – 28 Kms

Total Semana: 64,6 Kms

Resumo – Semana 7:

  • 2ª Feira – 13KM CC
  • 4ª Feira – 12 x 400m (13,80 Kms)
  • 5ª Feira – 6 Kms
  • 6ª Feira – 14Kms CC
  • Domingo – 30 Kms

Total Semana: 76,8 Kms

Total Treino: 351,87 Kms

Partilha:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *