Road to Chicago – Semana 13

Mais uma semana de treinos fechada, nuns 7 dias de baixos e altos!!

Como referi na semana passada a dor no tibial posterior não estava ainda solucionada e tinha queixas a cada treino. 

Na segunda-feira, após o esforço da meia maratona do dia anterior, tinha mais sensibilidade que o normal. Fui treinar normalmente mas optei por reduzir os 13Kms para 50 minutos. Sentia a dor q.b. e achei que, não tendo nada a ganhar por fazer o treino por completo, provavelmente teria bastante a perder em fazê-lo. Senti-me um pouco mais solto nos pós-treino (enquanto fazia reforço muscular) mas marquei ainda assim uma nova avaliação com o fisioterapeuta para tirar o assunto a limpo.

Terça-feira, chegou-se então à conclusão que o tendão do tibial posterior apresentava algum engrossamento e inflamação o que estaria a causar estas dores. Combinou-se então começar logo com o tratamento (ondas de choque) que, tendo impacto mínimo no treino – é de evitar correr no dia seguinte – iria de certo ajudar na recuperação.

Passei então o treino de séries para quinta-feira, cujo plano pedia 10 x 200. Já com a lesão bem mais calma, senti-me bastante solto e consegui rodar com bom ritmo a cada série, o que me deixou com uma dose extra de confiança!

Sexta foram 10K fáceis e sábado uma activação de 6K com 6 rectas para deixar as pernas prontas para a prova do dia seguinte.

Ao longo destes treinos notei ainda uma ligeira sensibilidade no local da lesão mas muito melhor que anteriormente.

Nestes últimos treinos aproveitei também para testar uma traquitana que encomendei recentemente chamada Stryd. O Stryd é um footpod, um aparelhinho que se prende nos atacadores e que, emparelhando com o relógio, fornece uma série de métricas extra como o Power, cadência, oscilação vertical, altimetria, entre outras. Para além do mais oferece também o ritmo em tempo real. Isto vai ser para mim essencial em Chicago já que o ritmo baseado no GPS rapidamente se torna inútil, derivado dos túneis e prédios altos. Feedback sobre isto num futuro post!

Chegou então Domingo e dia de nova prova, desta vez 10Kms, na Corrida da Associação Jorge Pina. Cheguei bem cedo para fazer um reconhecimento do local, encontrar a equipa e apanhar o dorsal e ainda fazer um aquecimento decente. As 10H chegaram e tudo a postos para começar! Nesta prova, dada a sua natureza mais curta, queria imprimir logo um ritmo mais mexido e então comecei logo a rodar nuns 4:00min/km. O percurso não era dos mais planos (além dos túneis do Campo Grande o restante pouco de plano tinha) pelo que o ritmo oscilou um pouco: ora rodava a 3:55 como a 4:05. Surpreendentemente senti-me confortável em manter este andamento e fui fazendo uma corrida de trás para a frente já que após o primeiro quilómetro não perdi nenhuma posição e fui sempre ultrapassando outros corredores. Uma nota positiva, e que já vem sido habitual comigo, é que as subidas é onde mais naturalmente consigo impor um ritmo forte e, consequentemente, passar outros participantes. Não sei se isto se deve ao trabalho de reforço de ginásio ou à perca de peso que tem advido deste período de treinos mas tem sido certamente bem vindo. 

Mas de volta à prova. Como referi fui sempre ganhando posições e mesmo com alguma contenção, já que estava em apostar em fazer um último quilómetro mais forte mas, bizarramente, esse último quilómetro quase não chegou… Não sei o que se passou mas esta prova estava absurdamente mal medida já que os 10 quilómetros anunciados transformaram-se em cerca de 9300 metros. Bem estranhei o retorno (que nesta prova seria praticamente o meio da prova) estar muito longe dos 5kms. Fui mantendo o ritmo sem forçar particularmente e quando dei por isso já me estava a aproximar da partida… o quilómetro final a forçar transformam-se em cerca de 500m mais fortes.

No final deu para um 37° da geral e um 6° do escalão com uma média de 4:03min/km. O tempo final pouco importa já que os 10Kms não foram cumpridos.

Peripécias à parte, o objectivo da prova era mesmo meter algum ritmo competitivo e rodar perto dos 4:00min/km e foi mesmo isso que aconteceu. Adicionalmente senti-me bastante solto e o tibial posterior praticamente não deu sinais, tendo sido assim um dia muito positivo!

Fecho assim mais uma semana, esta já mais curta e, com tudo isto, já só faltam duas semanas para o grande dia! Agora é tempo de aligeirar o treino (mas manter a intensidade!) e tentar não estragar nada até lá!

Resumo da semana:

  • 2ª Feira – 50’ CC (8,85kms) + Reforço Muscular
  • 3ª Feira – Massagem + Fisio Tibial Posterior
  • 5ª Feira – 10 x 200m
  • 6ª Feira – 10 Kms CC
  • Sábado – 6Kms + 6 rectas progressivas
  • Domingo – Meia Maratona do Porto

Total Semana: 47,8 Kms

Total Treino: 836,47 Kms

Partilha:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *